10 de fevereiro de 2015

Verão de A a Z / tatuagem

Marcas. Sintonia. Lembrança. Ela queria ter três tatuagens. Tinha duas pequenas mas antigas. Visíveis. Uma de um lado do pé, outra no ombro. Onde faria a terceira? Então ela dirigiu-se aquela loja, como no programa da tv Miami Ink. Aquilo lhe deixou meio apreensiva. Uma marca muitas vezes é para sempre.
Chegando lá, o tatuador a recebeu com certa simpatia. Deu-lhe catálogos para folhear. Como a achou meio demorada, deixou-a olhando a álbum por instantes e atendeu outra pessoa. Cada um conta um pouco da vida e o motivo por que está ali. Ela nem prestava atenção. Uma lembrança de um antigo amor, dos pais, de um amigo, um fato mais interessante. Tudo é narrado e desenhado calmamente. Aos poucos, todo alcançam um objetivo e saem felizes daquele lugar, levando a lembrança de alguma coisa gravada na pele. Quem olha a tatuagem, muitas vezes ao admirar a estampa, não imagina o motivo que está por trás daquela figura.
Ela desistiu. Levantou e saiu alegando voltar no outro dia. Mas sumiu. Uma semana. Esse foi o tempo suficiente para ele esperá-la, com o olhar cravado na porta, quase tatuado, dia e noite.
Certo dia, o inesperado aconteceu. Ela retornou devagar, como sempre tão calma. Já havia escolhido o motivo da tatuagem. Apontou para a página e ele contemplou um símbolo japonês. Um ideograma. Achou banal. Por que não escolheu um dragão gigante ou estrelas cadentes? Ou uma borboleta para colorir sua vida. Não teriam o jeito dela. E o local da tatuagem? Sugeriu o pescoço, na nuca, escondida pelos cabelos. A surpresa de levantá-los e enxergá-la. Surpreenderiam-se. Ele parecia estar com ciúmes. E assim foi feito o desenho. Com toda calma, de propósito, para mantê-la ali por mais tempo talvez. Na saída, uma pergunta sobre o motivo, o significado do tal símbolo japonês. A resposta foi: talento...
Talento em conquistar, apaixonar. Ela foi caminhando em direção a porta. Talentosamente. Virou-se e lançou um olhar. Tatuou uma mensagem através dos olhos. Desenhou-se o desejo de voltar.


Segue o blog... Em japonês, kanji (ideograma) e irezumi (tatuagem).

Um comentário:

  1. Nunca fui fã de tatuagem, mas algumas acho que dão charme na mulher.

    ResponderExcluir